quinta-feira, 3 de julho de 2014

p-r-e-s-e-n-te.

 Você é presente em todos os sentidos. Presente que foi criado e embrulhado pra mim sob medida; presente por que se faz quando eu mais preciso ( e se tratando de você, preciso o tempo todo); presente porque meu agora é você. E meu depois, e depois, e sempre.
 A gente nem imagina que pode precisar tanto assim de alguem, até ganhar um. E você, foi meu alguém ganhado. A gente nunca imagina que alguem pode mudar tanto a nossa vida, apenas sendo presente, e pode tanto.
 Nos esbarramos por aí, mas não ouvimos nada um do outro. Talvez não fosse a hora, talvez não fosse preciso. Soubemos ali tudo que precisávamos.
 E decidimos construir, porque é isso o que fazemos,  construímos o que vamos ser daqui pra frente: nós.
 Como qualquer construção, requer um pouco de tempo, nós temos todo o do mundo. Como qualquer construção requer material, gostamos o que podemos pra que o resultado seja o melhor. As vezes falta alguma coisa, as vezes não sai como planejado, as vezes divergimos por termos pontos de vista diferentes e cada um sabe fazer de um jeito, mas continuamos construindo.
  O que importa é que o resultado seja exatamente o que decidimos desde que nos esbarramos por aí.

domingo, 15 de junho de 2014

MUDAR p-r-a-que

Ninguém muda ninguém, esquece! 
Não tem promessa, simpatia, paixonite ou sei lá o que. A gente se ajeita, tenta organizar o espaço pra caber um pouco mais de cada um, abre mão, chega pro canto, cede, diminui a intensidade,amadurece. Tudo isso é recurso necessário à sobrevivência, mas daí a dizer que fulano vai mudar por você?
Mania mais esquisita essa de querer alguém do "nosso jeito". Onde já se viu customizar gente? É tão mais fácil respeitar gente, aceitar gente, complicar pra que? E daí que os gostos são diferentes, bom que sobra!
Exigir que alguém mude pra servir como garantia, pra ter certeza que a probabilidade de dar certo é maior, tolice! Garantia a gente tem de automóvel, eletrodoméstico, mas com gente de verdade, o negócio é diferente.
Quando você escolhe alguém, esse tal vem por inteiro, com um monte de coisas no pacote que não tem como tirar. Seria bem mais fácil se pudéssemos dividir nossos 'alguéns' em fatias, separar o que nos serve, jogar fora o que incomoda, mas não dá.
Acontece, que não existe ninguém pronto, sem defeitos e embalado a vácuo. Sinto muito em dizer, mas -mesmo recheados de boas intenções- fomos feitos pra causar estragos.
Então, se você escolheu um alguém, guarda. Com os defeitos, os malfeitos, os estragos e tudo mais. Você escolheu e pronto.
Esqueça as fatias ruins, usa um Ketchup, toma um refri, dá pra engolir.
Não escolhemos um ser nesse mundo enorme por acaso, tão pouco somos escolhidos, a gente se encontra. Ser feliz ou não fica por nossa conta.

c-a-d-ê a CORA-G-E-M

É fácil alarmar-se diante da presença constante e desalarmar-se ao perceber que é não é ruim alguém presente que te faça bem, difícil é não saber como lidar com o aperto no peito -pela ausência- que mesmo sendo um sinal vital, parece o avesso. 
Não sabemos muito bem como agir ante o perecimento repentino de construções demoradas, então fazemos drama. 
O problema é que não sabemos construir. Fazemos merda. Gastamos nosso tempo ao invés de aproveitá-lo, depois, passamos o resto da vida perdendo nossa energia  insistindo naquilo que talvez nunca teria virado 'falta'.
Somos culpados. 

Não temos coragem.
Não assumimos.
Não permitimos.
Não perdoamos.
Não damos o braço a torcer.
Somos um bando de tolos que nunca fazem o que é certo na hora certa, simplesmente por que é mais fácil lamentar depois.
E guardar, e entupir cada sílaba da saudade de um bilhão de fracassos.



segunda-feira, 12 de maio de 2014

No fundo, tudo o que procuramos é alguém que nos faça sorrir.
Só quem consegue nos levar a um ataque de riso, consegue tudo mais de nós
Pois bem, sentimentos não são passíveis de controle, são involuntários- como o riso- por isso, apenas alguém assim consegue ser o que precisamos de verdade.
Já chega dessa gente que tem tão pouco a oferecer, que não provoca nada, não deixa saudade. Gente que vem e vai embora sem um surto sequer pra contar história.
Esqueça a sorte de um amor tranquilo ou essa história de que só é feliz de verdade quem faz guerra de travesseiros, piquenique com toalhinha quadriculada no parque e tudo mais.
É mesmo feliz, quem encontra alguém capaz de arrancar o movimento mais sublime dos lábios, sem sequer se estar presente.



sexta-feira, 28 de fevereiro de 2014

E A-G-O-R-A?

Ah, droga de egoísmo. Fomos nada além disso, egoístas. Agimos como se nosso fim não refletisse no resto do mundo. E agora, nossa parcela? Desacreditamos no amor e automaticamente ferimos o resto do mundo que acreditava no 'felizes para sempre' baseado em nós dois.
Ainda seremos felizes, mesmo, já somos até - mas vamos explicar isso como?

 Ainda há quem não tenha cicatrizado, quem espere mais, quem julgue não ser o fim. Não há como regredir, refazer, reaver, foi fim e pronto. O que podemos fazer agora? Sentir muito pelo resto do mundo, e só.

terça-feira, 4 de fevereiro de 2014

Melhor N-Ã-O

Talvez me falte dor, aperto no peito, no coração (daqueles que parecem latejar). Talvez me falte pernas bambas, coração acelerado e nós na garganta. 
Falta uma porção de coisas, que no fundo, remetam a uma coisa só. Talvez me falte o mundo colorido, as canções todas a meu favor. Abraço, afago, amasso, chocolate.
É geralmente isso que essa gente relaciona a amor não é?
- talvez o seja.E se ganha o que com isso? Não me parece tão vantajoso assim.
Não é que eu nunca tenha feito essas coisas.Já quis dançar na chuva, já quis um grande amor. Já sorri coisas bobas, já chorei a noite toda. Já me importei, já senti falta. Já tive melhor amiga, irmã de alma. Já falei "pra sempre" e acreditei que pudesse ser.Já troquei algo novo pra viver tudo de novo.
Já tantas coisas.
Mas um dia. Hoje não. Não mais.

quarta-feira, 29 de janeiro de 2014

F-U-G-IR

O que me incomoda mesmo  é essa sua eterna falta de coragem. Nunca dá a cara a tapa, nunca corre o risco. Acho repugnante sua mania de passos friamente calculados, nunca sair de um barco sem ter outro pronto pra te carregar.
Você arma a bomba e joga sempre em quem vier pela frente. A culpa é sempre minha, nunca nossa (deveria ser toda sua diga-se de passagem).
Assim viver é fácil. Totalmente intencionado a posse e nenhuma intenção de cuidado. Ter sem tomar conta, achar que pode tudo, perfeitamente seu tipo egoísta- que não me agrada mais.
Quem decide é o culpado, não? Pois bem, me culpe então por decidir fugir.  Basta. E eu digo mesmo fuga, não me atreveria a me despedir, pra correr o risco de sentir vontade de ficar.
Essa historia de barco, esse balanço todo, essas idas e vindas me deixaram tonta demais pra continuar. Parei por aqui, sorte a minha.
Eu vou correndo enquanto há tempo, sinto muito por quem for ficar.